quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Livro didático de História completo





6º Ano
issuu.com/editora-saraiva/docs/jornadas-hist6-completo?e=5437272/6122157

7º Ano
issuu.com/editora-saraiva/docs/jornadas-hist7-completo?e=5437272/6122114

8º Ano
issuu.com/editora-saraiva/docs/jornadas-hist8-completo?e=5437272/6122128

9º Ano
issuu.com/editora-saraiva/docs/jornadas-hist9-completo?e=5437272/6122142

A construção do conhecimento histórico permeia toda a coleção: está presente nos textos, fotografias, mapas, documentos históricos e citações de historiadores e pesquisadores. A contextualização dos assuntos e a interdisciplinaridade também merecem grande destaque, além do forte trabalho voltado para o desenvolvimento de competências

Sobre a autora

Maria Luí­sa Vaz

Licenciada em História pela Universidade de São Paulo (USP). Mestre em História Social pela USP. Professora de História do Ensino Fundamental, Médio e Superior da rede particular de ensino.

Silvia Panazzo

Licenciada em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Graduanda em Pedagogia pela Universidade Cidade de São Paulo (UNICID). Coordenadora de História para o Ensino Fundamental da rede particular de ensino. Professora de História do Ensino Fundamental e Médio da rede particular de ensino.

o verdadeiro significado do natal

Ontem assisti ao filme 3 dias de Natal (3 days test) com minha família  à tardinha. Esperando os parentes  para mais uma ceia de natal. Não conhecia esse filme, quando sua produção data de 2010. Assistindo não deixei de pensar num monte de coisas, é claro, a sala de aula. 
A família de Martin Taylor segundo o site do Disney Channel resume assim:
Martin perdeu totalmente contato com sua família. Ele não tem idéia de quem os amigos de sua filha adolescente é, por que seu filho só se comunica com um sinal eletrônico fora da porta de seu quarto, ou por que seu filho mais novo só assiste TV . Convencido a família precisa para se reconectar, Martin surpreende a esposa e filhos com um pouco de experiência, ele tranca-los em sua própria casa, sem poder, sem calor, sem água corrente, e absolutamente nenhum contato com o mundo exterior! O staycation férias súbita não é o que os Taylors tinha em mente para o fim de semana, mas eles vão ter que se unir para provar que pode sobreviver missão maluco do meu pai. Com uma mensagem sincera e um pouco de persistência, um pequeno membro da família ajuda a colocar suas prioridades para trás nos bancos, porque eles vão precisar de toda a fé que eles têm que passar por isso!
 Num mundo onde o valor do dinheiro fala mais alto invés de  entender o espírito do Verdadeiro Natal que é o da Caridade, Generosidade, Perdão, Amor ao Próximo. Outra coisa importante que o filme traz é a dependência as tecnologias. Traz a questão quanto tempo somos capazes de ficar plugado no facebook, twitter pra falar nos mais utilizados cotidianamente na nossa vida. Isso nos isola do mundo tornando mais individualistas e, sem percebermos, consumistas. 



sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Um balanço de três anos de governo Tarso

Tarso Genro: “em três anos já fizemos o dobro que os governos anteriores”

Tarso Genro está confiante que o Congresso aprovará a proposta de reestruturação que representará, segundo ele, uma nova etapa na vida do Rio Grande do Sul (Foto: Pedro Revillion/Palácio Piratini)
Tarso Genro está confiante que o Congresso aprovará a proposta de reestruturação da dívida, o que representará, segundo ele, uma nova etapa na vida do Rio Grande do Sul (Foto: Pedro Revillion/Palácio Piratini)
Marco Weissheimer
O governador Tarso Genro fez um balanço de três anos de governo em um almoço com a imprensa nesta quinta-feira (19), no Galpão Crioulo do Palácio Piratini. O balanço desse período foi apontado como positivo e veio acompanhado de um desafio proposto pelo chefe do Executivo gaúcho: “o desafio que queremos fazer a vocês (dirigindo-se aos jornalistas e às jornalistas presentes) e também aos nossos adversários é para comparar os números e resultados deste governo com os dos que nos antecederam. Para avaliar um governo é preciso compará-lo com o governo anterior, comparar as suas realizações. Nós pegamos um Estado paralisado financeiramente e o retiramos da letargia do déficit zero”.
No encontro com a imprensa, o Secretário Estadual de Comunicação, João Ferrer apresentou um filme sintetizando as principais ações do governo. “Nós estamos apresentando aqui nossas realizações e potencialidades. Não apresentamos as limitações que enfrentamos, muitas delas independentes de nossa vontade, e tampouco a forma pela qual recebemos o Estado”, disse Tarso Genro após a apresentação do filme produzido pela Comunicação do governo.




Economia gaúcha crescendo acima da média nacional
Ao fazer a defesa das realizações de seu mandato, o governador destacou os números da economia gaúcha que vem apresentando um desempenho superior à média nacional. O Produto Interno Bruto gaúcho deverá fechar 2013 em torno de 6%, mais que o dobro do índice nacional. No segundo trimestre, enquanto a média brasileira apontou um crescimento de 3,3%, a economia gaúcha cresceu mais de 15%. O acumulado no primeiro semestre chegou a 8,9%, de acordo com a Fundação de Economia e Estatística (FEE), índice superior aos 2,6% registrado para o conjunto de regiões do Brasil. O valor exportado do ano alcançou a cifra de US$ 17,5 bilhões, um aumento de 28,6%, o terceiro Estado em exportação. A safra gaúcha bateu recordes este ano e a indústria cresceu 6,1%, o maior crescimento segundo pesquisa do IBGE, enquanto a média brasileira situa-se em 1,6%.
Além disso, acrescentou Tarso, o Rio Grande do Sul saiu de uma situação de isolamento nacional e internacional, retomando o diálogo com o governo federal e  investindo em parcerias com outros países. “O Estado se desparoquializou. Temos hoje o maior volume de investimentos dos últimos anos, sem comparação”. De acordo com os dados do governo, o Rio Grande do Sul é hoje o segundo estado do Brasil com mais investimentos do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), do Governo Federal. Entre 2011 e 2014, serão cerca de R$ 40 bilhões investidos em estradas, mobilidade urbana, saneamento e habitação.
Reestruturação da dívida pública do Estado
Outro ponto destacado pelo chefe do Executivo foi a reestruturação da dívida pública do Estado. Tarso Genro está confiante que o Congresso aprovará a proposta de reestruturação que representará, segundo ele, uma nova etapa na vida do Rio Grande do Sul: “vamos sair de uma situação de dívida impagável e indeterminada para um futuro previsível e com uma dívida pagável. Pegamos um Estado sem perspectivas e agora temos a dívida renegociada e reestruturada, com 50% do caminho andado, o que em três anos é muito significativo”.
O governador apresentou o sistema estadual de microcrédito como outro fator que está impulsionando o desenvolvimento do Estado. Criado em 2011, o Programa Gaúcho de Microcrédito, em parceria com o Banrisul, beneficiou 29.714 tomadores de crédito, em 363 municípios. Entre 2011 e 2013, segundo o governo, foram mais de R$ 258 milhões destinados para micro e pequenas empresas. “O Rio Grande do Sul não cresceu só porque tivemos um bom regime de chuvas, como dizem alguns de nossos adversários. Temos uma série de políticas que vêm sendo desenvolvidas pelo governo que vem apresentado um impacto extraordinário na economia”, observou Tarso.
Aumento de 5,6% na arrecadação, sem aumentar impostos
Entre essas políticas, citou também algumas de cunho social como a política de valorização do salário mínimo regional e o Programa RS Mais Igual, que beneficia hoje cerca de 62 mil famílias no Estado. “Há cerca de 100 mil famílias vivendo no limite da situação de miséria no Rio Grande do Sul. Nós já estamos atingindo mais da metade desse número e queremos elevá-lo. Nós tivemos um aumento de arrecadação de 5,6%, sem elevar impostos, pelo contrário, reduzindo tributos em alguns setores. Nosso governo, nestes três anos, fez o dobro do que os dois governos anteriores em todas as áreas importantes. Isso começa a ser percebido pela comunidade. Não é a toa que tivemos agora no fim de ano uma melhora de avaliação expressiva. O conjunto de políticas que estamos implementando nos destaca, com sobras, em relação aos dois últimos governos”, defendeu.
Após citar esses números, Tarso comentou as críticas feitas por lideranças do PP nos últimos dias que já apontam a abertura do período eleitoral. “Essas críticas fazem parte do jogo democrático, mas eles não disseram quais são as propostas que defendem. Disseram que há aumentos salariais excessivos. Estão defendendo o arrocho salarial? Disseram que o governo gasta demais. Estão propondo a volta do déficit zero? Além disso, as críticas feitas não batem com os dados da realidade”.
O governador admitiu, por outro lado, que há um conjunto de impasses a resolver, entre eles, as dificuldades burocráticas para fazer uma obra. “Alguns desses impasses não dependem de nós, como os limites dramáticos para se fazer uma obra resultantes da sobreposição da atuação de órgãos de controle. Essa sobreposição envolve, entre outras instâncias, o Tribunal de Contas, o Ministério Público Estadual, o Ministério Público Federal e os órgãos de controle do próprio governo”.
Perda da maioria na Assembleia
Indagado sobre as possíveis dificuldades que o governo enfrentará em 2014, com a perda da maioria na Assembleia Legislativa, resultante da saída do PSB e do PDT do governo, Tarso Genro assinalou que foi perdida a maioria automática, mas não a maioria estrutural. “As votações do Orçamento para 2014 e da transferência de recursos para a Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR) são exemplos disso. Alguns projetos serão mais difíceis de aprovar como ocorreu agora no caso dos projetos do Banrisul. Mas isso não significa que tenha se constituído uma maioria automática contra o governo na Assembleia”, concluiu.

Disponível em: http://www.sul21.com.br/jornal/tarso-genro-em-tres-anos-ja-fizemos-o-dobro-que-os-governos-anteriores/ acesso em: 20/12/2013.

PS. Nesse link onde foi extraído essa matéria tem muitos comentários...

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

10 anos da lei 10.639/2003

Hoje a tarde, estava no curso de formação continuada promovido pela Secretaria da Educação aqui do meu Estado. Faz parte de  uma série de formações que iniciou no início do 2º semestre e termina no 1º semestre de 2014. Foram trẽs formações seguido de oficinas pedagógicas. Nos seminários foram grandes temas como. respectivamente, neurociência e a educação, inclusão, e nessa tarde, as relações étnicas raciais.
Norberto da Cunha Garcia dividiu seu trabalho em três reflexões: passou um trecho do programa da NBR "Cenas das Cores" colocaram a situação do negro hoje em dia sobretudo na saúde e comentaram a reportagem "Negros do Brasil: brilho invisibilizado" exibido pela Tv Brasil. Esse programa foi ao ar dia 22.11.2012. Depois falou de textos da literatura sobre negritude e educação e, finalmente, passou o curta "O Xadrez das Cores". 
Estimava-se 600 professores no evento mas durante o seminário foi esvaziando. Lamentável. Passados dez anos da lei e vê que muitos colegas ainda não estão sensibilizados em fazer um debate em mexer na grade curricular, mexer no projeto político pedagógico e construir um curriculo antieurocentrico e aumentar as aulas de História e Geografia para três períodos semanais.
Já Milton Esmério falou da cultura e história indígena, que também é lei 11.645/2008. Fez comentários interessantes além de resgatar a música indígena e trazendo alguns instrumentos muito usados pelos povos autóctones: chocalho e o tambor fazendo uma excelente apresentação.
Depois de tudo isso, abriu-se para as perguntas, o que estimava-se 600 professores que não compareceram, acredito tinha uns 300. Naquela hora havia menos de 100 mas valeu e sai mais motivado dali porque ainda podemos encontrar colegas motivados, quase falei também contribuindo como algumas possibilidades de trabalhos de avaliação que fiz com meus alunos. A timidez não me deixou falar, fica pra próxima.
Segue os links abaixo das publicações do Mec sobre a África e africanidade que foram lembrados no seminário.

domingo, 1 de dezembro de 2013

Documentário francês sobre a Igreja Universal

Documentário francês sobre a Igreja Universal mostrando como Edir Macedo quer conquistar o poder.
Cada parte tem 10 minutos. A produção original é da KTO que já afirmou que tem interesse na divulgação


http://www.youtube.com/watch?v=9WFhg3zsK7E - parte I
http://www.youtube.com/watch?v=_f_Iv8WW4k4 - parte II
http://www.youtube.com/watch?v=IvTcmkIMI50 - parte III
http://www.youtube.com/watch?v=5NoiZLXv1kA - parte IV
 http://www.youtube.com/watch?v=arnmiXuZGBA -parte V
http://www.youtube.com/watch?v=p01oZGaMoxM - parte final

Canal de filmes LavTV

Canal de filmes LavTV
filmes 24 horas

Charge

Charge

charge

charge

Charge: Latuff e o massacre no Pinheirinho*

Charge: Latuff e o massacre no Pinheirinho*

A história secreta da Rede Globo

Resuno do documentário: Beyond Citizen Kane (no Brasil, Muito Além do Cidadão Kane) é um documentário televisivo britânico de Simon Hartog produzido em 1993 para o Canal 4 do Reino Unido. A obra detalha a posição dominante da Rede Globo na sociedade brasileira, debatendo a influência do grupo, poder e suas relações políticas. O ex-presidente e fundador da Globo Roberto Marinho foi o principal alvo das críticas do documentário, sendo comparado a Charles Foster Kane, personagem criada em 1941 por Orson Welles para Cidadão Kane, um drama de ficção baseado na trajetória de William Randolph Hearst, magnata da comunicação nos Estados Unidos. Segundo o documentário, a Globo emprega a mesma manipulação grosseira de notícias para influenciar a opinião pública como o fez Kane. O documentário acompanha o envolvimento e o apoio da Globo à ditadura militar, sua parceria ilegal com o grupo americano Time Warner (naquela época, Time-Life), a política de manipulação de Marinho (que incluíam o auxílio dado à tentativa de fraude nas eleições fluminenses de 1982 para impedir a vitória de Leonel Brizola, a cobertura tendenciosa sobre o movimento das Diretas-Já, em 1984, quando a emissora noticiou um importante comício do movimento como um evento do aniversário de São Paulo e a edição, para o Jornal Nacional, do debate do segundo turno das eleições presidenciais brasileiras de 1989, de modo a favorecer o candidato Fernando Collor de Mello frente a Luis Inácio Lula da Silva), além de uma controvérsia negociação envolvendo acções da NEC Corporation e contratos governamentais. O documentário apresenta entrevistas com destacadas personalidades brasileiras, como o cantor e compositor Chico Buarque de Hollanda, os políticos Leonel Brizola e Antônio Carlos Magalhães, o publicitário Washington Olivetto, os jornalistas Walter Clark, Armando Nogueira, Gabriel Priolli e o atual presidente Luis Inácio Lula da Silva. O filme seria exibido pela primeira vez no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro do Rio de Janeiro, em março de 1994. Um dia antes da estréia, a polícia militar recebeu uma ordem judicial para apreender cartazes e a cópia do filme, ameaçando em caso de desobediência multar a administração do MAM-RJ e também intimidando o secretário de cultura, que acabou sendo despedido três dias depois. Durante os anos noventa, o filme foi mostrado ilegalmente em universidades e eventos sem anúncio público de partidos políticos. Em 1995, a Globo tentou caçar as cópias disponíveis nos arquivos da Universidade de São Paulo através da Justiça Brasileira, mas o pedido lhe foi negado. O filme teve acesso restrito a essas pessoas e só se tornou amplamente vistos a partir da década de 2000, graças à popularização da internet. A Rede Globo tentou comprar os direitos para o programa no Brasil, provavelmente para impedir sua exibição. No entanto, antes de morrer, Hartog tinha acordado com várias organizações brasileiras que os direitos de televisão não deveriam ser dados à Globo, a fim de que o programa pudesse ser amplamente conhecido tanto por organizações políticas e quanto culturais. A Globo perdeu o interesse em comprar o programa quando os advogados da emissora descobriram isso, mas o filme permanece proibido de ser transmitido no Brasil. Entretanto, muitas cópias em VHS e DVD vem circulando no país desde então. O documentário está disponível na Internet, por meio de redes P2P e de sítios de partilha de vídeos como o YouTube e o Google Video (onde se assistiu quase 600 mil vezes). Contrariando a crença popular, o filme está disponível no Brasil, embora em sua maioria em bibliotecas e coleções particulares.

A história e os aspectos do racismo pelo mundo

Sinopse da Série: Como parte da comemoração do bicentenário da Lei de Abolição ao Tráfico de Escravos (1807), a BBC 4, dentro da chamada "Abolition Season", exibiu uma série composta por três episódios, independentes entre si, abordando a história e os aspectos do racismo pelo mundo. São eles: "A Cor do Dinheiro", "Impactos Fatais" e "Um Legado Selvagem". Episódio 1 A Cor do Dinheiro: O programa examina as atitudes de alguns dos grandes filósofos em relação às diferenças humanas, incluindo a abordagem das implicações dos dogmas do Velho Testamento acerca dos atributos das diferentes raças, especificamente "A Maldição de Cam". Analisa a fracassada experiência democrática da Serra Leoa, a Revolução do Haiti, a primeira revolução escrava bem sucedida da história, demonstrando como ele passou da colônia mais rica das Américas ao país mais pobre do hemisfério norte. Este episódio trata, ainda que de forma superficial, da chamada "democracia racial" brasileira. Por fim, conclui-se que a força motriz por trás da exploração e escravização dos chamados "povos inferiores" foi a economia, e que a luta para apagar e cicatrizar os feitos e legados deixados pelo sistema escravocrata ainda continua. Episódio 2 Impactos Fatais: É a mais superficial das diferenças humanas, tem apenas a profundidade da pele. No entanto, como construção ideológica, a ideia de raça impulsionou guerras, influenciou a política e definiu a economia mundial por mais de cinco séculos. O programa aborda as teorias raciais desenvolvidas na era vitoriana, a eugenia, o darwinismo social e o racismo científico, desenvolvendo a narrativa a partir da descoberta dos restos mortais encontrados no deserto da Namíbia pertencentes às primeiras vítimas do que ficaria conhecido como campo de concentração, 30 anos antes de o nazismo chegar ao poder na Alemanha. Tais teorias levaram ao desenvolvimento da Eugenia e das políticas raciais nazistas. O documentário sustenta que os genocídios coloniais, o campo de morte da ilha de Shark, a destruição dos aborígenes tasmanianos e os 30 milhões de indianos vítimas da fome, foram apagados da história da Europa, e que a perda desta memória encoraja a crença de que a violência nazista foi uma aberração na história daquele continente. Mas que, assim como os ossos ressurgidos no deserto da Namíbia, esta história se recusa a ficar enterrada para sempre. Episódio 3 Um Legado Selvagem: O programa aborda o cruel legado deixado pelo racismo ao longo dos séculos. Iniciando pelos EUA, berço da Ku Klux Klan, onde o pesquisador James Allen, possuidor de vasta coleção de material fotográfico e jornalístico sobre linchamentos, defende que há um movimento arquitetado para apagar a mácula racial da memória do país. A seguir, remonta à colonização belga do Congo, por Leopoldo II, onde os negros que não atingiam a quota diária de borracha tinham a mão direita decepada. O documentário trata ainda da problemática racial na África do Sul (Apartheid) e Grã-Bretanha, abordando a luta do Movimento pelos Direitos Civis nos EUA e a desconstituição do mito da existência de raças.

Os Maias e as Profecias do Juízo Final Parte 01 de 05

Resumo:Nossos dias estão contados, preparem-se para o juízo final. Conheçam o templo sagrado de uma civilização perdida e conheçam a verdade sobre a profecia maia. Os maias realmente enxergavam o passado e o presente com precisão extraordinária? A data exata do nosso fim estaria oculta em seus antigos textos? O tempo está se esgotando, a contagem regressiva começa agora. \

BATALHAS LENDÁRIAS: JOSUÉ, A MATANÇA ÉPICA

Resumo do documentário: Na sua primeira batalha para conquistar a Terra Prometida, as forças especiais de Josué infiltraram-se de forma secreta e destruíram Jericó desde dentro apesar de as suas muralhas serem consideradas impenetráveis. Os espias de Josué contaram com a ajuda de Rajab. Enquanto os exércitos de Josué rodeavam a cidade amuralhada, os Israelitas introduziram-se sigilosamente na casa de Rajab. Uma vez que conseguiram introduzir quarenta soldados, Josué e o resto do exército, que esperavam fora da cidade, tocaram os trompetes e atacaram. Os quarenta soldados apanharam a cidade completamente de surpresa e conquistaram-na. Apenas Rajab salvou-se do banho de sangue que percorreu Jericó inteiro.

África - uma história rejeitada

Documentário: A História Oculta do Terceiro Reich

Descrição: A fascinação de Hitler com a ascensão e queda da "raça ariana", a sua obsessão com a ordem e a disciplina, e seus messiânicos planos de controle total do mundo... desde as origens ocultas do Nazismo até a morte de seu mentor Adolf Hitler, a ascensão da doutrina do "Nacional Socialismo" foi construída tendo como base um mundo de sinistros acontecimentos e crenças, construído através da propaganda política e manipuladora. Agora, utilizando filmagens recentemente descobertas, este documentário explora este incrível fenômeno acontecido na Alemanha, durante as décadas de 30 e 40, e que deu origem à Segunda Guerra Mundial. Pela 1.a vez os assustadores rituais e crenças do nazismo, como a origem da cruz suástica e a construção do Holocausto, são explorados e desvendados para o público em 3 documentários sobre os segredos do terceiro Reich e que também descortinam o PAPEL FUNDAMENTAL DO MISTICISMO na doutrina extremamente racista de Adolf Hitler, notadamente os escritos de Madame BLAVATSKY (Teosofia), Guido von Lista (Ariosofia) e Jorg Lanz (Teozoologia).

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO DE PIERRE BOURDIEU

No vídeo abaixo podemos entender melhor as idéias de Bourdieu sobre a escola. O vídeo foi produzido pela Univesp TV para o Curso de Pedagogia da Universidade Virtual do Estado de São Paulo. O artigo abaixo destaca as contribuições e aponta alguns limites da Sociologia da Educação de Pierre Bourdieu. Na primeira parte, são analisadas as reflexões do autor sobre a relação entre herança familiar (sobretudo, cultural) e desempenho escolar. Na segunda parte, são discutidas suas teses sobre o papel da escola na reprodução e legitimação das desigualdades sociais. Para ler o artigo clique aqui