segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Cronologia do Fórum Social Mundial

 FSM 2001:  realizado em Porto Alegre (Rio Grande do Sul), Brasil, entre 25 e 30 de janeiro de 2001, contou com a participação de aproximadamente 20.000 pessoas, das quais cerca de 4.700 eram delegadas de diversas entidades abrangendo 117 diferentes países. A imprensa também esteve bastante presente com 1.870 credenciados. Clique aqui e veja mais detalhes sobre a memória do evento. 

Eixos temáticos do FSM 2001:
- A Produção de Riquezas e a Reprodução Social;
- O acesso às Riquezas e a Sustentabilidade;
- A Afirmação da Sociedade Civil e dos Espaços Públicos;
- Poder Político e Ética na Nova Sociedade.

FSM 2002:  realizado em Porto Alegre entre os dias 31 de janeiro e 05 de fevereiro, com a presença de 12.274 delegados/as representando 123 países. A imprensa compareceu com 3.356 jornalistas, sendo 1.866 brasileiros e 1.490 estrangeiros de 1066 veículos. O número de participantes superou todas as previsões com a estimativa de mais de 50.000 pessoas ao todo. Com os mesmos eixos temáticos do primeiro fórum, foram feitos 96 seminários, 27 conferências e 622 atividades autogestionadas (isto é, seminários e oficinas organizados pelas entidades participantes do FSM). Clique aqui e veja mais detalhes sobre a memória do evento. 

FSM 2003: realizado também em Porto Alegre, entre os dias 23 e 28 de janeiro de 2003, atraiu cerca de 100 mil pessoas do mundo inteiro. Cerca de 20 mil delegados/as, de um total de 123 países, cerca de 25 mil participantes do Acampamento da Juventude, jornalistas da mídia nacional e internacional (mais de 4.000) e demais participantes.

Foram  realizadas 10 conferências, 22 testemunhos, 4 mesas de diálogo e controvérsia e 36 painéis. No total foram 392 conferencistas de diversos países, número três vezes maior do que o de 2001. No eixo de atividades autogestionadas, houve um salto de cerca de 400 no FSM2001 para cerca de 1.300 em 2003.

Eixos temáticos do FSM 2003:
- Desenvolvimento democrático e sustentável
- Princípios e valores, direitos humanos, diversidade e igualdade
- Mídia, cultura e alternativas à mercantilização e homogeneização
- Poder político, sociedade civil e democracia
- Ordem mundial democrática, luta contra a militarização e promoção da paz

Clique aqui e veja mais detalhes sobre a memória do evento.

FSM 2004:  pela primeira vez, o Fórum Social Mundial foi realizado fora do Brasil. A decisão foi tomada pelo Conselho Internacional como parte do processo de construção da internacionalização do FSM. O local escolhido foi Mumbai, na Índia e a data: de 16 a 21 de janeiro de 2004.

Eixos temáticos do FSM 2004:
- Militarismo, guerra e paz
- Informação, conhecimento e cultura
- Meio ambiente e economia
- Exclusão, direitos e igualdade

Eixos transversais:
- Globalização imperialista
- Patriarcado
- Regimes de castas e racismo e exclusões sociais
- Sectarismo religioso, políticas de identidade e fundamentalismo (comunalismo)
- Militarismo e paz


FSM 2005:  nesta edição mundial do FSM voltou para Porto Alegre e foi realizada entre os dias 26 e 31 de janeiro. Foi constituído um Comitê Organizador Brasileiro formado por 23 organizações, subdivididas em oito GTs (Grupos de Trabalho) abertos: Espaços, Economia Popular Solidária, Meio Ambiente e Sustentabilidade, Cultura, Tradução, Comunicação, Mobilização e Software Livre (articulado com o GT de Comunicação). Mais tarde, um nono GT foi criado: Programa.

O Programa foi criado sob nova metodologia ampliando a convergência, os diálogos e evitando a repetição de atividades de mesmo tema. As atividades passaram a ser autogestionadas pelas organizações participantes do Fórum. Realizou-se uma Consulta Temática para identificar  as questões  que as organizações partícipes do processo FSM consideravam importante discutir. Daí resultaram 11 espaços temáticos que organizaram todas as atividades:

01. Afirmando e defendendo os bens comuns da Terra e dos povos – Como alternativa à mercantilização e ao controle das transnacionais
02. Arte e criação: construindo as culturas de resistência dos povos
03. Comunicação: práticas contra-hegemônicas, direitos e alternativas
04. Defendendo as diversidades, pluralidade e identidades
05. Direitos humanos e dignidade para um mundo justo e igualitário
06. Economias soberanas pelos e para os povos – Contra o capitalismo neoliberal
07. Ética, cosmovisões e espiritualidades – Resistências e desafios para um novo mundo
08. Lutas sociais e alternativas democráticas – Contra a dominação neoliberal
09. Paz e desmilitarização – Luta contra a guerra, o livre comércio e a dívida
10. Pensamento autônomo, reapropiação e socialização do conhecimento (dos saberes) e das tecnologias
11. Rumo à construção de uma ordem democrática internacional e integração dos povos

Foram identificados também 5 eixos transversais:
01. Emancipação social e dimensão política das lutas
02. Luta contra o capitalismo patriarcal
03. Luta contra o racismo
04. Gênero
05. Diversidade

Na marcha que marcou o início do FSM 2005, estiveram presentes mais de 200 mil pessoas. No total, foram 155 mil participantes cadastrados, sendo 35 mil integrantes do Acampamento da Juventude e 6.823 comunicadores. Cerca de 6.872 organizações de 151 países estiveram envolvidas em 2.500 atividades no Território Social Mundial. As maiores delegações foram as do Brasil, da Argentina, dos Estados Unidos, do Uruguai e da França. Os dias de maior pico foram 29 e 30 de janeiro: 500 mil pessoas circularam no Território Social Mundial, de acordo com estimativas da Brigada Militar.

Cerca de 3.100 voluntários colaboraram na realização do encontro, em áreas como tradução, cultura, comunicação, logística e serviços, manutenção de redes e construções etc. Participaram 533 intérpretes (Babels) de 30 países. Dezesseis idiomas foram traduzidos durante o V FSM: português, inglês, francês, espanhol, árabe, japonês, hebraico, alemão, italiano, coreano, guarani, hindi, quechua, uolof (África), bahasa (Indonésia), russo e libras (linguagem brasileira de sinais). Clique aqui e veja mais detalhes sobre a memória do evento. 

FSM 2006: esta edição foi policêntrica, ou seja, ocorreu de forma descentralizada, em diferentes lugares do mundo. Três cidades sediaram o FSM 2006: Bamako (Mali - África), entre 19 e 23 de janeiro de 2006, Caracas (Venezuela – América) e Karachi (Paquistão – Ásia), entre 24 e 29 de março de 2006. A edição de Karachi, originalmente, estava planejada para acontecer simultaneamente ao evento venezuelano. Porém, devido ao terremoto que atingiu o país em outubro de 2005, sua realização foi adiada por dois meses.

Como nos anos anteriores, a programação do FSM policêntrico foi construída de maneira participativa, (clique aqui para ler sobre a metodologia do FSM 2006.

Para o evento de Caracas, foi organizada uma consulta temática entre maio e final de julho de 2005. Seus resultados foram analisados em uma reunião do Conselho Hemisférico Américas, realizada entre 14 e 17 de agosto, em Caracas (Venezuela), que levou à definição de seis eixos temáticos e dois transversais. Nos casos de Bamako e Karachi, a consulta teve como ponto de partida uma lista de temas pré-definida pelas instâncias desses respectivos fóruns. Clique nos links abaixo e veja os eixos temáticos de cada um dos eventos policêntricos:

- FSM 2006 policêntrico capítulo Américas e II Fórum Social Américas


FSM 2007: primeiro FSM no continente africano foi realizado entre os dias 20 e 25 de janeiro de 2007, em Nairóbi, Quênia. A metodologia de construção do FSM 2007 foi marcada pela realização de uma consulta ampla sobre ações, campanhas e lutas em que estão envolvidas as organizações participantes do FSM (ver no site: http://consultation.wsf2007.org/).. Veja a seguir quais foram os objetivos traçados pela consulta:

1. Pela construção de um mundo de paz, justiça, ética e respeito pelas espiritualidades diversas
2. Pela libertação do mundo do domínio das multinacionais e do capital financeiro
3. Pelo acesso universal e sustentável aos bens comuns da humanidade e da natureza
4. Pela democratização do conhecimento e da informação
5. Pela dignidade, diversidade, garantia da igualdade de gênero e eliminação de todas as formas de discriminação
6. Pela garantia dos direitos econômicos, sociais, humanos e culturais, especialmente os direitos à alimentação, saúde, educação, habitação, emprego e trabalho digno
7. Pela construção de uma ordem mundial baseada na soberania, na autodeterminação e nos direitos dos povos
8. Pela construção de uma economia centrada nos povos e na sustentabilidade
9. Pela construção de estruturas políticas realmente democráticas e instituições com a participação da população nas decisões e controle dos negócios e recursos públicos

Outra característica da metodologia do FSM 2007 foi a definição de um quarto dia de atividades voltado para a apresentação e socialização das propostas de ações resultaram das reflexões durante as atividades autogestionadas realizadas nos dias anteriores. Ver a íntegra da nota informativa sobre o quarto dia.

Processo FSM em 2008

O Conselho Internacional do Fórum Social Mundial definiu que, em janeiro de 2008, não haveria um evento centralizado do processo FSM e sim é uma semana de mobilização e ação global, marcada por um dia de visibilidade mundial em 26 de janeiro de 2008. Leia a íntegra do chamado para um Dia de Mobilização e Ação Global. Fóruns locais, regionais, temáticos também estão programados ao longo do ano.

FSM 2009: nona edição do FSM aconteceu na Amazônia, em Belém, capital do estado do Pará, entre 27 de janeiro e 1° de fevereiro, reunindo cerca de 120 mil pessoas de 150 países.
A discussão acerca da sustentabilidade ambiental e o esgotamento do modelo econômico neoliberal foram os principais assuntos do encontro.
FSM 2010: o FSM descentraliza-se em pelo menos 27 eventos espalhados pelo mundo.
O primeiro deles, o "Fórum Social 10 Anos: Grande Porto Alegre" foi programado para o período de 25 a 29 de janeiro, com atividades em vários municípios região metropolitana de Porto Alegre - Porto Alegre, Gravataí, Canoas, São Leopoldo, Novo Hamburgo e Sapiranga.
Crise financeira, ecológica e social foram temas abordados durante o Fórum.
Rodas de Conversa sobre 10 Anos de Comunicação Compartilhada no processo Fórum Social Mundial foram realizadas em Porto Alegre, com os coletivos gestores das coberturas, em Canoas, com rádios comunitárias do Brasíl, Quênia e Argentina, e em Salvador, com o movimento negro. A principal orientação para as atividades coletivas em 2010 é a junção de comunicação e cultura compartilhadas, e a meta dos coletivos no processo FSM 2010 é contaminar todas as temáticas do FSM com o debate da comunicação e cultura como dimensões indissociáveis de qualquer proposta de transformação social.

FSM 2011: retornou à África, depois de Nairóbi (Quênia), Dacar, capital senegalesa, recebeu a edição centralizada entre 6 e 11 de fevereiro, diferentemente de anos anteriores em que acontecia nos mesmos dias do Fórum Econômico de Davos. Com enfoque na história de resistência e luta dos povos africanos, o FSM 2011 buscou encontrar a interface necessária com as lutas e as estratégias globais comuns à África, ao Sul e ao resto do mundo. Para os organizadores, o retorno do FSM à África expressava a solidariedade ativa do movimento social internacional para que a África  não pagasse  pela crise atual do capitalismo, já estando enfraquecida pelos programas de ajustes estruturais da década de 1980 e 1990.”

FSM 2012:  de 24 a 29 de janeiro de 2012 aconteceu o Fórum Social Temático em Porto Alegre, Rio Grande do Sul,  e cidades da região metropolitana, com enfoque nos temas.
Foi organizado por um grupo de ativistas e movimentos sociais ligados ao processo do Fórum Social Mundial. O FST 2012 se propôs ser um espaço de debates preparatórios para a Cúpula dos Povos, reunião alternativa à cúpula das Nações Unidas para o desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que aconteceu em junho, no Rio de Janeiro.

Em 29 de novembro de 2012, o Prefeito José Fortunati sancionou a lei 11380 aprovada pela Câmara Municipal, oficializando o evento “Semana do Fórum Social Mundial”, em Porto Alegre  a ser celebrada todos os anos na última semana do mês de janeiro. Clique aqui para ver o documento. Esta lei foi criada a partir de uma demanda dos movimentos sociais e entidades organizadoras do Fórum Social Mundial. Em 2013 a Semana do Fórum Social Mundial de Porto Alegre, que se realiza de 26 de à 31 de janeiro, será um preparo para a edição mundial do evento em Túnis, capital da Tunísia (ocorrerá entre 26 e 30 de março). Encontre aqui mais informações sobre o Fórum Social Mundial 2013. http://www.http://www.fsm2013.org/es


quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Série: Roma: 52 a.C

Band está exibindo, todas as terças-feiras, às 22h30, a série “Roma”, cuja narrativa se passa em 52 a.C., período que começam as lutas para transição entre a República Romana e o Império.
“Roma” mostra Caio Júlio César (Ciarán Hinds) em campanha na Gália para dominar aquelas terras e, paralelamente, em Roma, Pompeu e seus aliados tramando barrar o poder cada vez mais crescente de César.
Uma guerra civil se instaura e Pompeu acaba assassinado. Com status de líder, César retorna a Roma e é eleito ditador vitalício. Assim começa a história de um dos mais emblemáticos personagens da história mundial, que precisa diariamente fazer de tudo para manter seu poder contra as ameaças que chegam de todos os lados, inclusive de aliados.
Exibida nos Estados Unidos entre 2005 e 2007, com 22 episódios e vencedora de quatro prêmios Emmy, a série foi toda gravada em estúdios na Itália. Segundo produtores, há a possibilidade de transformar “Roma” em filme.
“Roma” compõe o pacote de programas estrangeiros que a Band passa a exibir esse ano, que inclui ainda as séries “The Walking Dead”, “24 Horas” “Os Simpsons” e o sucesso teen “iCarly”.

Fonte:  telemaniacos (site sobre mídia e cultura)

De Lula a Era Vargas


mathetc on livestream.com. Broadcast Live Free

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Aberta seleção da Unesco para contratação de consultores para DRI

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) divulga o edital nº 15 para contratação de consultoria especializada para subsidiar a Diretoria de Formação de Professores da Educação Básicas (DEB) da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). A consultoria deve analisar e desenvolver documentos relativos ao Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid).
Para se candidatar é necessário ter graduação nas áreas de Educação, Ciências Humanas ou Ciências Exatas e ter doutorado na área de Ciências Humanas; experiência de no mínimo cinco anos em atividades de coordenação de estudos pedagógicos ou avaliação educacional, preferencialmente ligada à formação de professores; desejável experiência em docência no ensino superior e na publicação de artigos científicos na área de avaliação educacional voltada à formação de professores.
Os interessados devem enviar o CV até o dia 8 de janeiro para o e-mail deb-unesco@capes.gov.br, indicando o número do edital e o nome do perfil em que se candidata. Serão desconsiderados os CVs remetidos após a data limite.

Fonte: Listageografia 02/01/2013

Canal de filmes LavTV

Canal de filmes LavTV
filmes 24 horas

Charge

Charge

charge

charge

Charge: Latuff e o massacre no Pinheirinho*

Charge: Latuff e o massacre no Pinheirinho*

A história secreta da Rede Globo

Resuno do documentário: Beyond Citizen Kane (no Brasil, Muito Além do Cidadão Kane) é um documentário televisivo britânico de Simon Hartog produzido em 1993 para o Canal 4 do Reino Unido. A obra detalha a posição dominante da Rede Globo na sociedade brasileira, debatendo a influência do grupo, poder e suas relações políticas. O ex-presidente e fundador da Globo Roberto Marinho foi o principal alvo das críticas do documentário, sendo comparado a Charles Foster Kane, personagem criada em 1941 por Orson Welles para Cidadão Kane, um drama de ficção baseado na trajetória de William Randolph Hearst, magnata da comunicação nos Estados Unidos. Segundo o documentário, a Globo emprega a mesma manipulação grosseira de notícias para influenciar a opinião pública como o fez Kane. O documentário acompanha o envolvimento e o apoio da Globo à ditadura militar, sua parceria ilegal com o grupo americano Time Warner (naquela época, Time-Life), a política de manipulação de Marinho (que incluíam o auxílio dado à tentativa de fraude nas eleições fluminenses de 1982 para impedir a vitória de Leonel Brizola, a cobertura tendenciosa sobre o movimento das Diretas-Já, em 1984, quando a emissora noticiou um importante comício do movimento como um evento do aniversário de São Paulo e a edição, para o Jornal Nacional, do debate do segundo turno das eleições presidenciais brasileiras de 1989, de modo a favorecer o candidato Fernando Collor de Mello frente a Luis Inácio Lula da Silva), além de uma controvérsia negociação envolvendo acções da NEC Corporation e contratos governamentais. O documentário apresenta entrevistas com destacadas personalidades brasileiras, como o cantor e compositor Chico Buarque de Hollanda, os políticos Leonel Brizola e Antônio Carlos Magalhães, o publicitário Washington Olivetto, os jornalistas Walter Clark, Armando Nogueira, Gabriel Priolli e o atual presidente Luis Inácio Lula da Silva. O filme seria exibido pela primeira vez no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro do Rio de Janeiro, em março de 1994. Um dia antes da estréia, a polícia militar recebeu uma ordem judicial para apreender cartazes e a cópia do filme, ameaçando em caso de desobediência multar a administração do MAM-RJ e também intimidando o secretário de cultura, que acabou sendo despedido três dias depois. Durante os anos noventa, o filme foi mostrado ilegalmente em universidades e eventos sem anúncio público de partidos políticos. Em 1995, a Globo tentou caçar as cópias disponíveis nos arquivos da Universidade de São Paulo através da Justiça Brasileira, mas o pedido lhe foi negado. O filme teve acesso restrito a essas pessoas e só se tornou amplamente vistos a partir da década de 2000, graças à popularização da internet. A Rede Globo tentou comprar os direitos para o programa no Brasil, provavelmente para impedir sua exibição. No entanto, antes de morrer, Hartog tinha acordado com várias organizações brasileiras que os direitos de televisão não deveriam ser dados à Globo, a fim de que o programa pudesse ser amplamente conhecido tanto por organizações políticas e quanto culturais. A Globo perdeu o interesse em comprar o programa quando os advogados da emissora descobriram isso, mas o filme permanece proibido de ser transmitido no Brasil. Entretanto, muitas cópias em VHS e DVD vem circulando no país desde então. O documentário está disponível na Internet, por meio de redes P2P e de sítios de partilha de vídeos como o YouTube e o Google Video (onde se assistiu quase 600 mil vezes). Contrariando a crença popular, o filme está disponível no Brasil, embora em sua maioria em bibliotecas e coleções particulares.

A história e os aspectos do racismo pelo mundo

Sinopse da Série: Como parte da comemoração do bicentenário da Lei de Abolição ao Tráfico de Escravos (1807), a BBC 4, dentro da chamada "Abolition Season", exibiu uma série composta por três episódios, independentes entre si, abordando a história e os aspectos do racismo pelo mundo. São eles: "A Cor do Dinheiro", "Impactos Fatais" e "Um Legado Selvagem". Episódio 1 A Cor do Dinheiro: O programa examina as atitudes de alguns dos grandes filósofos em relação às diferenças humanas, incluindo a abordagem das implicações dos dogmas do Velho Testamento acerca dos atributos das diferentes raças, especificamente "A Maldição de Cam". Analisa a fracassada experiência democrática da Serra Leoa, a Revolução do Haiti, a primeira revolução escrava bem sucedida da história, demonstrando como ele passou da colônia mais rica das Américas ao país mais pobre do hemisfério norte. Este episódio trata, ainda que de forma superficial, da chamada "democracia racial" brasileira. Por fim, conclui-se que a força motriz por trás da exploração e escravização dos chamados "povos inferiores" foi a economia, e que a luta para apagar e cicatrizar os feitos e legados deixados pelo sistema escravocrata ainda continua. Episódio 2 Impactos Fatais: É a mais superficial das diferenças humanas, tem apenas a profundidade da pele. No entanto, como construção ideológica, a ideia de raça impulsionou guerras, influenciou a política e definiu a economia mundial por mais de cinco séculos. O programa aborda as teorias raciais desenvolvidas na era vitoriana, a eugenia, o darwinismo social e o racismo científico, desenvolvendo a narrativa a partir da descoberta dos restos mortais encontrados no deserto da Namíbia pertencentes às primeiras vítimas do que ficaria conhecido como campo de concentração, 30 anos antes de o nazismo chegar ao poder na Alemanha. Tais teorias levaram ao desenvolvimento da Eugenia e das políticas raciais nazistas. O documentário sustenta que os genocídios coloniais, o campo de morte da ilha de Shark, a destruição dos aborígenes tasmanianos e os 30 milhões de indianos vítimas da fome, foram apagados da história da Europa, e que a perda desta memória encoraja a crença de que a violência nazista foi uma aberração na história daquele continente. Mas que, assim como os ossos ressurgidos no deserto da Namíbia, esta história se recusa a ficar enterrada para sempre. Episódio 3 Um Legado Selvagem: O programa aborda o cruel legado deixado pelo racismo ao longo dos séculos. Iniciando pelos EUA, berço da Ku Klux Klan, onde o pesquisador James Allen, possuidor de vasta coleção de material fotográfico e jornalístico sobre linchamentos, defende que há um movimento arquitetado para apagar a mácula racial da memória do país. A seguir, remonta à colonização belga do Congo, por Leopoldo II, onde os negros que não atingiam a quota diária de borracha tinham a mão direita decepada. O documentário trata ainda da problemática racial na África do Sul (Apartheid) e Grã-Bretanha, abordando a luta do Movimento pelos Direitos Civis nos EUA e a desconstituição do mito da existência de raças.

Os Maias e as Profecias do Juízo Final Parte 01 de 05

Resumo:Nossos dias estão contados, preparem-se para o juízo final. Conheçam o templo sagrado de uma civilização perdida e conheçam a verdade sobre a profecia maia. Os maias realmente enxergavam o passado e o presente com precisão extraordinária? A data exata do nosso fim estaria oculta em seus antigos textos? O tempo está se esgotando, a contagem regressiva começa agora. \

BATALHAS LENDÁRIAS: JOSUÉ, A MATANÇA ÉPICA

Resumo do documentário: Na sua primeira batalha para conquistar a Terra Prometida, as forças especiais de Josué infiltraram-se de forma secreta e destruíram Jericó desde dentro apesar de as suas muralhas serem consideradas impenetráveis. Os espias de Josué contaram com a ajuda de Rajab. Enquanto os exércitos de Josué rodeavam a cidade amuralhada, os Israelitas introduziram-se sigilosamente na casa de Rajab. Uma vez que conseguiram introduzir quarenta soldados, Josué e o resto do exército, que esperavam fora da cidade, tocaram os trompetes e atacaram. Os quarenta soldados apanharam a cidade completamente de surpresa e conquistaram-na. Apenas Rajab salvou-se do banho de sangue que percorreu Jericó inteiro.

África - uma história rejeitada

Documentário: A História Oculta do Terceiro Reich

Descrição: A fascinação de Hitler com a ascensão e queda da "raça ariana", a sua obsessão com a ordem e a disciplina, e seus messiânicos planos de controle total do mundo... desde as origens ocultas do Nazismo até a morte de seu mentor Adolf Hitler, a ascensão da doutrina do "Nacional Socialismo" foi construída tendo como base um mundo de sinistros acontecimentos e crenças, construído através da propaganda política e manipuladora. Agora, utilizando filmagens recentemente descobertas, este documentário explora este incrível fenômeno acontecido na Alemanha, durante as décadas de 30 e 40, e que deu origem à Segunda Guerra Mundial. Pela 1.a vez os assustadores rituais e crenças do nazismo, como a origem da cruz suástica e a construção do Holocausto, são explorados e desvendados para o público em 3 documentários sobre os segredos do terceiro Reich e que também descortinam o PAPEL FUNDAMENTAL DO MISTICISMO na doutrina extremamente racista de Adolf Hitler, notadamente os escritos de Madame BLAVATSKY (Teosofia), Guido von Lista (Ariosofia) e Jorg Lanz (Teozoologia).

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO DE PIERRE BOURDIEU

No vídeo abaixo podemos entender melhor as idéias de Bourdieu sobre a escola. O vídeo foi produzido pela Univesp TV para o Curso de Pedagogia da Universidade Virtual do Estado de São Paulo. O artigo abaixo destaca as contribuições e aponta alguns limites da Sociologia da Educação de Pierre Bourdieu. Na primeira parte, são analisadas as reflexões do autor sobre a relação entre herança familiar (sobretudo, cultural) e desempenho escolar. Na segunda parte, são discutidas suas teses sobre o papel da escola na reprodução e legitimação das desigualdades sociais. Para ler o artigo clique aqui